sexta-feira, 29 de novembro de 2013

As flores são o reflexo da alma.


A árvore de cerejeira estava naquela ilha no meio do lago, com toda sua majestosa beleza enchendo a água de um rosa reluzente, suas folhas ondulando na brisa fraca. O cascalho caído ao chão mostrava que a árvore já estava ali há anos, décadas ou séculos, aguardando a mudança no mundo, um sopro de vida, a primeira respiração, o primeiro suspiro. O tempo na minúscula ilha não prosseguia nem retrocedia, parado, mofado, dia e noite passavam apenas agitados por uma chuva de vez emquando, atrapalhando a calmaria por instantes, e depois tudo voltava ao normal. O amanhecer surgia mostrando as gotas de orvalho pingando das flores rosas, dando eco quando chegava à superfície negra do lago, os primeiros raios de sol enaltecendo a beleza sobrenatural dos retorcidos galhos marrons, dando vida à quela paisagem bucólica, lembrando a magia há muito perdida no mundo. 

2 comentários:

  1. Eu tenho que começar a pensar em coisas novas para dizer sobre seus textos já que agora estão mais frequentes. Esse foi muito bonito mesmo, o texto mais pareceu uma pintura. Gostei, me lembrou um haikai prolongado e em prosa, o que não faz muito sentido já que o que faz o haikai é a forma, mas acho que você entendeu o que eu quis dizer. A ambientação, o atmosfera do texto lembra um haikai, é tão relaxante quanto pelo menos.

    Isso me lembrou que eu preciso arranjar um caderno ou um bloco de notas. Fico enrolando essa compra, mas ontem ou hoje de madrugada - você provavelmente viu a tempestade, certo? - eu acordei por causa de um raio (as cortinas do quarto estavam abertas). Do nada, comecei a pensar em um poema baseado na paisagem, mas estava sonolento demais pra ir ao computador, sem falar que, quando eu acordo, não importando por quanto tempo eu tenha dormido, minha miopia parece triplicar de grau. Não tinha nada por perto em que eu pudesse escrever, então voltei a dormir torcendo pra não esquecer da porra do poema. Lembrei da maior parte, mas não está tão bom quanto ontem. Ou isso, ou meus padrões de qualidade literária são mais baixos de madrugada. Independentemente, preciso de papel e caneta por perto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que lembra haikai pelo fato de ser uma paisagem meio oriental, não? haha

      Uma caderneta e uma caneta são essenciais na cabeceira da cama.

      Excluir

Oi! Gostou do post? Não gostou? Deixe seu comentário aqui! :D