sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Resenha #12: Mrs. Dalloway

         Finalmente vou fazer a resenha deses livro tão maravilhoso que já falei tanto por aqui: Mrs. Dalloway, da amada Virginia Woolf. Li faz um bom tempo, acredito que lá pelo meio de agosto, e me apaixonei completamente pela escritora, pelos personagens, pelo cenário, pela escrita... Enfim, Virginia Woolf é uma escritora fantástica, e isso fica muito claro em Mrs. Dalloway.



        Para mim, é um exímio ensaio filosófico sobre os laços afetivos e a própria consciência do ser. Parece complicado, e realmente é, você pode lê-lo rapidamente, pois tem pouquíssimas páginas, e entender tudo, como pode demorar semanas, e entender nada.
        A história se passa em um único dia de junho de 1923, começando quando Clarissa Dalloway decide comprar flores, a pé, para a festa que daria naquela noite, e então todos os devaneios, lembranças e pensamentos dos mais banais são registrados. Repassamos alguns detalhes da vida da protagonista, alguns que ficamos sem entender e são explicados indiretamente durante o decorrer do dia, outros que são dados de bandeja. 
       Durante a andança de Clarissa por Londres, cidade onde se passa todo o livro, ela esbarra com pessoas que não tomam consciência da sua existência, e nem ela a deles, mas mesmo assim começamos a segui-los também, encontrando seus pensamentos e conhecendo suas vidas, seus medos e anseios. Todos os personagens são conectados pela cidade em que vivem e pelo passeio que davam quando um passou ao lado do outro, e assim, a narrativa passava para o outro. Deu para entender? Não? Isso é um problema, mas apenas saiba que a narrativa voa de um personagem a outro, sem uma ordem perceptível. Vai de um andante na rua até o melhor amigo de Clarissa, que passa para o médico da família, que passa para a filha de Clarissa... Enfim, é um reboliço de personagens, mas é isso mesmo que enriquece o estilo do livro, pois Virginia Woolf conseguiu narrar algo tão difícil com maestria, uniu a narrativa dos livros com o cinema. Pois quando imaginamos as cenas enquanto lemos, é como se fosse um livro cinematográfico, daqueles filmes cults franceses, com closes e cores vívidas. 
          Ler Mrs. Dalloway é como pensar: não há uma ordem, mas é tão natural que você não consegue não fazer. Enrolei até hoje para fazer essa resenha porque não tem o que criticar, é um livro subjetivo, e provavelmente se você ler terá uma opinião diferente da minha, pois como disse, é um livro que explora o filosófico da consciência.




  • Livro: Mrs. Dalloway
  • Editora: COSACNAIFY
  • Autora: Virginia Woolf
  • Lançamento: 1925 (original)
  • Páginas: 196 (sem o posfácio)





     E o livro tem filme! Ainda não assisti, mas pelos atores parece ser bom. Foi adaptado como Sra. Dalloway, com Vanessa Redgrave (Cartas para Julieta) como a protagonista. 


6 comentários:

  1. Olá, parabéns pelo post ;)
    eu tenho -e li- este livro hihi o meu é nessa mesma versão, LINDA, feita pela CosacNaify.
    Eu curto bastante Woolf, apesar de somente ter lido uns 2 livros dela.

    http://www.incriativos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Italo!
      É maravilhoso, não é? e a CosacNaify é uma das melhores editoras, e mais caras também, sorte que comprei na promoção de 50% de desconto!
      O próximo que vou ler dela é A Viagem, já leu?

      Beijos!

      Excluir
  2. Comprei esse livro, pronto, me convenceu (na verdade eu já tava com vontade de ler faz tempo, mas você só fez ela aumentar). Só que não nessa edição, foi numa de pobre, da Penguin, em inglês, nem dez conto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia! Você vai gostar, tenho certeza, como já falei.

      Excluir
  3. Não chamaria isso de resenha.

    ResponderExcluir

Oi! Gostou do post? Não gostou? Deixe seu comentário aqui! :D