terça-feira, 9 de junho de 2015

Portugal: Arquipélago das Berlengas


         Semana que vem vou-me embora de Bacalhauland rumo à última viagem pelo Velho Continente, para então retornar às terras longínquas de Santa Catarina. Pensando nisso, e como o país que mais viajei por aqui foi mesmo Portugal, decidi fazer uma série de posts mostrando um pouco desse país lindo e das cidades que visitei por aqui. Já falei sobre a Serra da Estrela, o destino para ver a neve, já que em Portugal não costuma nevar, e também falei um pouquinho sobre a minha chegada em Coimbra no post Comboio para Portugal. Ainda falarei sobre Óbidos, Alcobaça, Batalha, Lisboa, Porto, Coimbra e as cidades do Algarve, cada um com uma foto mais linda que a outra. <3 
      Mas, primeiramente, vamos falar da minha viagem de domingo, dia 07/06, para a Reserva Natural das Berlengas






Forte de São João Batista, que agora é uma pousada.

        É lindo demais! A água de um verde límpido, no lugar que chega a ter 10 metros de profundidade ainda conseguimos ver o fundo. A água é gelada, extremamente gelada, é como se você entrasse em um balde de gelo, mesmo assim, tive que entrar! Imagina, estar nesse lugar paradísiaco e não entrar nessa água linda! 

Farol Duque de Bragança.








Uma pontesinha complicada para passar haha


A vista de uma das "janelas" do Forte/Pousada.

     O arquipélago das Berlengas fica há 40 km da costa e é composto de três ilhas, mas a ilha visitável é a Berlenga Grande, onde antigamente existia um mosteiro, agora há uma mercearia/bar, um restaurante, e o Forte de São João Batista foi transformada em pousada. Também há uma área de campismo e muita gente vai lá desfrutar do barulho das ondas e gaivotas por alguns dias. Por mais que seja uma ilha há apenas uma praia super pequena que dá para tomar banho e pegar sol, mas mesmo minúscula é linda, não há ondas e seria gostoso de tomar um banho e dar uns mergulhos se não fosse tão gelada. 


Por dentro do Forte,




    O barco para chegar até lá sai de Peniche e custa 18 euros ida e volta, a ida é bem enjoativa, mas a volta é tranquila, eu fui com excursão que é mais fácil para me locomover por aqui. Chegando na ilha há trilhas, não muito longas pois a ilha da Berlenga Grande tem apenas pouco mais de 1 km de extensão. As trilhas são por cima do morro, ou seja, tem partes em que se vê os dois lados, e ficamos rodeados por gaivotas sem medo dos humanos e milhões de lagartixas. No topo da ilha há um farol, o Farol Duque de Bragança, cuja luz se vê a até 40 km. Lá ainda há a opção de fazer um passeio de barco por 3 euros onde se vê as cavernas e morros da ilha, lindo! 
    Na volta fizemos uma parada no Cabo do Carvoeiro, em Peniche, cheio de rochas, e com uma rocha no mar bem famosa por se parecer um veleiro, particularmente não achei nada parecido haha 

A ilha vista do barco, na hora de ir embora. 


Cabo Carvoeiro visto do mar.

A pedra que dizem se parecer com um veleiro. 
I'm on the edge, of glory... hahaha
     Mas foi um passeio lindo, e o mar com uma cor que nunca vi, nem no Algarve, nem no Brasil. Para quem vem de férias por aqui vale a pena passar um dia lá! 

3 comentários:

  1. Que lugar lindo!! E a cor desse mar?? Tô maravilhada!! ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É maravilhoso né!?!? Sério, dá pra ver seu pé com a água batendo até o pescoço! :O

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir

Oi! Gostou do post? Não gostou? Deixe seu comentário aqui! :D